Eis minha poesia. Toma, agora é tua!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Esquizofrenia: preta e branca

A loucura está ali,
impregnada no querer.
Do poeta? As palavras
se alinhando aos sentimentos.

A pintura é a mistura da loucura
do pintor traduzida em cores.
E a ciência? Sem consciência,
é uma doença,

sem cura.

A dança da bailarina,
esquizofrênica,
[des]codifica a arte por traz
da poesia colorida
pelo escritor.


É a loucura,
sem cura,
secura,
do querer.

Do amor? o gozo todo dia,
e do ecstasy o prazer da hora.
Mas o poeta não precisa de outras drogas
a não ser seus sentimentos.

Então,
E S Q U I Z O F R E N E - S E.


(Eu sou ao menos um cara que sente)

Matheus Matos